Usuário

Por que os conservadores pensam como pensam?

Chris Mooney
Washington Monthly

Tradução: Ivan Hegenberg para o PsiBr

Se você quiser um experimento que capture perfeitamente o que a ciência está aprendendo sobre as diferenças profundamente arraigadas entre liberais (esquerdistas) e conservadores (direitistas), não precisa de mais do que o BeanFest. É um simples videogame educativo no qual o jogador é apresentado a uma variedade de feijões desenhados em vários tamanhos e formatos, com número variado de pontinhos em cada um. Quando cada novo tipo de feijão aparece, o jogador precisa decidir se o aceita ou não – sem saber, de antemão, o que vai acontecer. Alguns feijões somam pontos, enquanto outros subtraem. Mas você só fica sabendo depois de provar.

Em um experimento recente conduzido por Russell Fazio e Natalie Shook, um grupo de autodenominados liberais e conservadores jogaram BeanFest. E as estratégias de jogo deles tendia a ser bem diferente. Os liberais experimentavam todos os tipos de feijões. Como resultado eles angariavam muitos pontos, mas também sofriam grandes perdas – e aprendiam muito sobre os diferentes tipos de feijões e o que eles causavam. Os conservadores, por sua vez, tendiam a jogar de maneira mais defensiva. Eles experimentaram menos feijões. Eles tinham aversão aos riscos, perdendo menos mas também acumulando menos informação.

Um motivo para considerar o experimento revelador é que é muito difícil argumentar que jogar BeanFest tem alguma conexão direta com a política. É difícil imaginar, por exemplo, que resultados como esses são comprometidos ou contaminados por dicas sutis ou fatores estranhos que estimulem liberais e conservadores a jogar de maneira diferente. No experimento, eles simplesmente se sentam em frente ao videogame – um jogo incrivelmente simples – e jogam. Portanto as diferenças de estratégia muito provavelmente refletem acima de tudo as diferenças de quem está jogando.

left right

O experimento do BeanFest é apenas um de dezenas catalogados em duas novas contribuições para o crescente gênero dos livros de ciência da política: “Predisposed: Liberals, Conservatives, and the Biology of Political Differences” dos cientistas políticos John R. Hibbing, Kevin B. Smith e John R. Alford, e “Our Political Nature” do antropólogo evolucionista Avi Tuschman. Ambos os livros concordam quase perfeitamente em relação ao que a ciência agora vem descobrindo sobre diferenças psicológicas, biológicas e até mesmo genéticas entre os que optam por uma política de esquerda e os que se inclinam para a direita. Entretanto, o que eles pretendem fazer com essas diferenças e até que ponto pretendem ir com elas varia imensamente.

Hibbing, Smith e Alford, uma equipe de pesquisadores da Universidade da Nebraska-Lincoln e da Universidade Rice que vem publicando algumas das pesquisas mais contundentes dos últimos anos sobre diferenças entre esquerda e direita, propiciam uma vívida e agradável mudança na paisagem. Mas eles basicamente apenas percorrem e observam a questão principal do motivo de existerem essas diferenças entre esquerda e direita aparentemente sistemáticas. A explanação deles para a “origem de subespécies”, como eles colocam, não passa de uma hipótese experimental. Tuschman, ao contrário, escreveu um livro vasto e muitas vezes difícil de ler que arrisca nada menos que uma ampla demonstração evolucionista da origem das diferenças entre esquerda e direita nos países e ao longo do tempo – e o faz ao analisar um enorme corpo de evidências antropológicas e biológicas que quase sufocam o leitor. Se o estudo merece ser considerado meramente uma provocação especulativa ou ciência correta é algo que ficará para a avaliação de outros acadêmicos – acadêmicos como Hibbing, Smith e Alford.

Vamos começar pelo vasto solo comum. Ao pesquisar as evidências com senso de justiça, é difícil negar que a ciência está revelando uma verdade inconveniente sobre esquerda e direita: muito antes de se tornarem membros de partidos diferentes, liberais e conservadores aparentemente já começam sendo pessoas diferentes. “A base da orientação política se confunde naturalmente com uma gama maior de orientações, gostos e preferências, porque são parte do mesmo âmago biologicamente enraizado”, escrevem Hibbing et al. A pesquisa que demonstra isso é tão diversa, provém de tantos campos, e mostra tantos pontos coincidentes com tanta consistência que você tem que ou aceitar que existe mesmo alguma coisa a se aprender com isso ou começa a entrar em parafuso quanto a uma teoria da conspiração para tentar refutar tudo.

O achado mais sólido, simplesmente por ter sido demonstrado muitas vezes em muitos estudos diferentes, é que liberais e conservadores têm personalidades diferentes. Repetidamente, quando é aplicado o teste de personalidade amplamente aceito dos cinco grandes fatores (Big Five), liberais tendem a pontuar mais alto em uma das cinco principais dimensões – abertura para experiência: o desejo de explorar, de experimentar coisas novas, conhecer novas pessoas – e conservadores tendem a pontuar mais na escrupulosidade: o desejo de ordem, estrutura e estabilidade. A amostragem de pesquisas em muitos países mostra o mesmo. E esse achado tem grandes consequências, pois, como tanto Hibbing et al. e Tuschman notam, as pessoas tendem a casar e ter filhos com aqueles que são semelhantes no quesito abertura – e, portanto, aqueles com quem compartilham da mesma visão política profundamente arraigada. É um processo chamado “acasalamento seletivo”, e quase certamente extrapola para nossa divisão política corrente.

Mas esse é apenas o começo do estudo das diferenças entre esquerda e direita. Um corpo de evidências consistentes entrelaçadas pode ser encontrado na psicologia moral, na genética, na neurociência cognitiva, e no campo preferido de Hibbing e Smith, na psicologia e cognição. No laboratório de psicologia política da Universidade de Nebraska-Lincoln, os pesquisadores colocaram liberais e conservadores em vários aparelhos que medem respostas como a condutividade da pele (o umedecimento das glândulas sudoríparas) e o padrão do olhar quando somos expostos a diversos tipos de imagens. Com isso, Hibbings e seus colegas puderam detectar diferenças nas respostas psicológicas involuntárias entre os dois grupos de protagonistas políticos quando deparados com uma variedade de estímulos. Mais uma vez: é difícil achar que esses resultados significam qualquer outra coisa além de que pessoas da direita e da esquerda tendem a ser diferentes.

Talvez seja nesse ponto que surgem alguns dos resultados mais intrigantes da ciência da política. Vários grupos de pesquisa vêm mostrando que comparado com os conservadores, os liberais mantêm um foco maior em estímulos negativos ou em uma “tendência à negatividade”: eles prestam mais atenção nos aspectos alarmantes, ameaçadores e repulsivos da vida. Em um experimento que captou isso, Hibbing e seus colegas mostraram uma série de colagens para liberais e conservadores, cada uma composta por uma mistura de imagens positivas (coelhos bonitinhos e crianças sorridentes) e negativas (ferimentos, uma pessoa comendo vermes). Os participantes do teste usavam eye trackers, aparelhos que computam para onde eles olham e por quanto tempo. Os resultados foram conclusivos: os conservadores fixavam os olhos em imagens negativas muito mais rapidamente, e continuavam observando por muito mais tempo que os liberais.

Liberais e conservadores, concluem Hibbing et al. “experimentam e processam mundos diferentes.” Não é surpresa, portanto, que frequentemente não consigam entrar em acordo. Esses experimentos sugerem que os conservadores realmente vivem em um mundo que é mais assustador e ameaçador, ao menos no modo como o percebem. Tentar dissuadi-los dessa percepção é inútil e ingênuo. É como tentar dissuadi-los a viver em suas peles.

Talvez a principal razão para que cientistas não pensem que essas diferenças psicológicas e atencionais simplesmente reflitam comportamentos adquiridos – ou a influência de aprendizados culturais – seja a pesquisa genética. Como explicam Hibbing et al., as evidências sugerem que 40% da variação nos credos políticos está, afinal, enraizada no DNA. Os estudos que fornecem a base para essa conclusão usam um paradigma simples mas poderoso: eles examinam as diferenças entre gêmeos monozigóticos (“idênticos”) e gêmeos dizigóticos (“fraternais”) em relação às visões políticas. Repetidamente, observa-se que os gêmeos idênticos, que compartilham 100% do DNA, também se assemelham muito mais na política.

Em outras palavras, a política está na família e é transmitida aos descendentes. Hibbing e seus coautores suspeitam que em última instância o que está sendo transmitido é um conjunto de disposições fundamentais sobre como as sociedades devem resolver problemas recorrentes: como distribuir recursos (devemos ser individualistas ou coletivistas?); como lidar com pessoas diferentes e de outros grupos (eles são ameaçadores ou atraentes?); como estruturar relações de poder (devemos ser hierárquicos ou igualitários?); e assim por diante. Esses são, é claro, problemas com que todas as sociedades humanas têm e tiveram que lidar; são problemas ancestrais. E herdar uma disposição fundamental sobre como resolvê-los predispõe naturalmente cada um a uma variedade de posições específicas em um dado contexto político.

Tudo isso nos traz para a questão principal. É difícil acreditar que as diferenças psicológicas e biológicas sistemáticas entre quem opta por esquerda ou direita em países diferentes – diferenças que provavelmente refletem seu código genético – surjam apenas pelo acaso. Ainda assim, oferecer uma explicação evolucionista para o que observamos é permeado de riscos. Para falar sem rodeios, nós não estávamos lá. Não vimos acontecer.

No estudo da evolução, vemos que algumas coisas acontecem por um “motivo” darwiniano explicito – características prevalecem ou se fixam nas populações porque aumentaram as chances dos organismos de sobreviverem e reproduzirem em um ambiente particular – enquanto outras coisas acontecem de maneira mais acidental. Algumas complexas características sociais podem emergir, por exemplo, porque foram efeitos colaterais de outros traços mais fundamentais, consolidados pela evolução darwiniana.

Um bom exemplo de uma característica assim pode ser a religião. Está bem claro que a evolução consolidou uma série de atributos que nos predispõe à religiosidade, como a “detecção de agência” (agency detection), que se refere à tendência humana de detectar mentes e intenções em toda parte à nossa volta, mesmo quanto não estão necessariamente ali. A razão evolucionista para esse traço é evidente: afinal de contas, é melhor estar a salvo do que arrependido quando se está no meio da floresta e se ouve um ruído. Mas basta começar a pensar que há intenções também no som do vento ou na escassez de caça e você está a um passo de conceber deuses. E, de fato, religião parece ser um universal humano presente em todas as culturas, mas isso significa que a evolução selecionou realmente a religião, ou a triagem era apenas para precursores mais simples como a detecção de agência?

Já se vê a dificuldade. Nesse contexto, Hibbings e seus colegas consideram uma gama de explicações potenciais para o insistente fato de que há uma grande diversidade psicológica e biológica politicamente relevante entre membros da espécie humana, e em última instância concluem com uma combinação experimental de duas ideias. Em primeiro lugar, eles afirmam, o conservadorismo é provavelmente mais básico e fundamental, porque é adequado para um mundo que é “horripilante, brutal e direto”. Ser defensivo, avesso a riscos, hierárquico e tribal faz sentido quando as ameaças à sua volta são muito reais e imediatas. No entanto, conforme muitas dessas ameaças foram suavizando nos tempos modernos, uma maior variabilidade em meio às espécies humanas pode ter vingado, simplesmente porque agora nós podemos dar conta. Nesse cenário, os liberais podem ser um filho mais novo na história político-evolutiva; o próprio Iluminismo tem menos do que trezentos anos, menos do que um piscar de olhos na escala evolutiva. “O liberalismo pode ser visto como um luxo evolutivo, possível devido aos estímulos negativos terem se tornado menos prevalecentes e mortais” escrevem Hibbing et al.

Entretanto, Hibbings e seus colegas também consideram um cenário de “seleção de grupo” mais controverso, na qual a evolução construiu alguma medida de variabilidade em nossa tipologia política porque às vezes a diversidade é força (para o grupo, quando não para o individuo). O problema é que focar na adaptação de um grupo de indivíduos ainda é uma novidade nas teses evolucionistas, em vez de na adaptação de um único individuo ou mesmo no DNA de um individuo. Todavia, é fácil ver por que um grupo de humanos primitivos composto por psiquismos tanto liberais quanto conservadores passaria melhor do que um grupo mais homogêneo. Uma sociedade assim teria forças que iriam querer se estabelecer e defender, mas também forças que incentivariam a explorar e mudar. Isso certamente daria em uma melhor adaptação em ambientes mais diversos. Dessa maneira as chances de sobrevivência do grupo iriam aumentar.

Ainda assim seria ir longe demais sugerir que Hibbing et al. têm uma teoria forte e altamente desenvolvida para a existência de diversidade biopolitica entre humanos. Mas Avi Tuschman sim. “Orientações políticas são disposições naturais moldadas por forças evolucionarias”, ele afirma. Se ele estiver certo, uma nova e dramática janela se abre para mostrar quem nós somos e a explicação para nossos comportamentos.

Uma das revelações recentes mais instigantes da antropologia genética é o achado que o Homo sapiens, nosso ancestral, ocasionalmente acasalou com o Homo neanderthalensis na Europa ou no Oriente Médio cerca de 40.000 ou 50.000 anos atrás. Esses encontros podem ter sido bem raros: apenas um descendente a cada trinta anos, de acordo com uma estimativa. Mas foi o suficiente para dar forma aos humanos de hoje. Análises genéticas recentes sugerem que alguns humanos recentes têm uma porcentagem pequena mas mensurável de DNA neanderthal em seus genomas – particularmente aqueles entre nós que vivem na Europa e na Ásia.

Quanto mais pensamos no assunto, mais espantoso nos parece que esse cruzamento entre espécies realmente tenha acontecido. Imagine como deve ter sido estranho para um membro dos Homo sapiens encontrar com uma criatura tão parecida conosco (muito mais parecida que os chimpanzés), mas ainda assim bem diferente. Provavelmente os fãs de J. R. Tolkien podem visualizar melhor, porque de fato deve ter sido algo como o encontro de humanos com os anões de “Senhor dos Aneis”. Neanderthais eram mais baixos e fortes, com sobrancelhas sobressaltadas. Há algumas evidências sugerindo que eles podem ter tido vozes agudas e cabelos avermelhados.

Levando em conta o quanto há de racismo e xenofobia hoje entre membros da espécie humana, podemos supor que muitos de nossos ancestrais teriam se comportado de maneira ainda pior contra os neanderthais. E ainda assim alguns Homo sapiens acasalaram e produziram descendentes com eles, e (presumimos) se importaram com esses descendentes. Quem que tinha amor, em vez de ódio?

A resposta, de acordo com a dica de Tuschman em “Our Political Nature”, é que devem ter sido os liberais. Pois um ponto central da diferença aparentemente universal entre esquerda e direita, de acordo com ele, é que os dois grupos seguem estratégias reprodutivas diferentes, diferentes maneiras de garantir descendentes e adaptação para a próxima geração.

E assim entramos em um terreno que inevitavelmente é muito controverso, o das teorias evolucionistas abrangentes. Tuschman não faz por menos. Os conservadores – como ele sugere em um dos três modelos evolucionistas interrelacionados para as origens da política – são um reflexo moderno de um impulso evolucionário que levava alguns de nós a procurar controlar a reprodução sexual e mantê-la dentro de um grupo relativamente homogêneo. Isso naturalmente faz com que os conservadores atuais sejam mais tribais e voltados para o grupo; se tem algo que o tribalismo faz é deixar claro quem você é com quem não deve acasalar.

Os liberais de Tuschman, pelo contrário, são um reflexo moderno do impulso evolucionário de correr riscos, e por conseguinte transmitir uma diversidade genética maior para os descendentes. Isso naturalmente faz com que os liberais de hoje sejam mais exploradores e cosmopolitas, assim como os testes de personalidade sempre sugerem. Em ultima instância, como Tuschman escreve, sem rodeios, tudo se resume a “atitudes diferentes em relação à transmissão do DNA.” E se você quiser colocar esses dois grupos em uma guerra ferrenha um contra o outro, tudo o que precisa é de algo como os anos 1960.

De acordo com Tuschman, essas estratégias reprodutivas concorrentes surgem do fato de que há vantagens em acasalar com alguém próximo do grupo, mas também há vantagens em misturar com uma maior diversidade genética. Todavia, há gradações entre uma postura extremamente exogâmica e extremamente endogâmica, muitas estratégias reprodutivas diferentes entre uma e outra. Assim, vemos em outras espécies, por exemplo em pássaros como o chapim-real, uma grande variação no comportamento de acasalamento, desde um nível alto de procriação com pássaros de parentesco próximo até um nível alto de exogamia.

Exogamia acarreta diversidade, o que é vital. Por exemplo, a diversidade nos genes que criam as proteínas que compõem nosso sistema imunológico traz benefícios óbvios. Mas a exogamia também tem seus riscos – como o de encontrar novos patógenos fatais no contato com novos grupos humanos. Um nível moderado de endogamia parece ter suas próprias vantagens: perpetuar através dos genes estratégias de sobrevivência de eficácia comprovada, aumentando um altruísmo que advém de relações mais próximas, além de, aparentemente, obter uma prole com maior porcentagem de sucesso.

Endogamia extrema, não há dúvida, é deletéria. Mas Tuschman apresenta evidências que sugerem a existência de uma medida ideal – algo como um acasalamento com primo de terceiro ou quarto grau – para a produção do maior número de descendentes saudáveis. Ele também apresenta evidências sobre mulheres dinamarquesas que sugerem que um grau moderado de dispersão geográfica para encontrar um parceiro (medida pela distância entre o local de nascimento de uma mulher e o de seu marido) relaciona-se com um número maior de filhos, mas tanto uma dispersão muito grande quanto muito pequena apontam para uma perda de fertilidade, de modo geral.

Tuschman enfatiza que os conservadores, especialmente conservadores religiosos, têm a tendência a tentar controlar e restringir a reprodução (e outras atividades sexuais) mais do que os liberais. É compreensivelmente difícil para um biólogo evolucionista não ver comportamentos que afetam sistematicamente padrões de reprodução sob uma luz darwinista.

E não se trata apenas dos padrões de reprodução: Tuschman também sugere que outros aspectos da divisão entre liberais e conservadores refletem outros desafios evolutivos e diferentes estratégias em resposta. Ele aponta diferentes visões de esquerda e direita quanto a hierarquia e igualdade na estrutura das famílias (o que o linguista cognitivo George Lakoff efetivamente já havia feito) e os efeitos da ordem de nascimento na personalidade e na perspectiva política dos irmãos. E Tuschman aponta mais pontos de vista positivos e negativos (ou avessos a riscos) da natureza humana na esquerda e na direita quanto a diferentes posturas altruístas baseadas na evolução: altruísmo dirigido ao grupo, no lado conservador, e altruísmo recíproco (que pode ser dirigido a qualquer um) no lado liberal.

Mas isso tudo é realmente... verdade? O livro de Tuschman é difícil de avaliar nesses termos. Ele diz muito mais sobre a evolução do que Hibbing, Smith e Alford, mas o faz sem deixar a mesma impressão sobre a importância de advertências e nuances. Tuschman está ou não dando um passo adiante na teoria de seleção de grupo? Às vezes parece que sim, mas isso não fica claro. E, o mais importante: a variação de traços politicamente relevantes entre humanos é parte da ordem natural das coisas, ou reflete alguma coisa sobre evolução? Mais uma vez, não está claro. Não que Tuschman deixe de apresentar um ponto de vista sobre essas questões; é que ele sintetiza tanta evidência cientifica que dar tudo mastigado não parece prioridade.

Afinal o livro de Tuschman tenta uma façanha pela qual nós que monitoramos a emergente ciência da política há muito esperamos – a explicação para as diferenças psicológicas, biológicas e genéticas entre liberais e conservadores, hoje bem documentadas, em referência à evolução humana e às diferentes estratégias para escolha de parceiros e distribuição de recursos que nos foram impingidas pela pressão da sobrevivência e reprodução em um planeta bem perigoso. Pode ser que o livro passe pelo teste do tempo ou não, mas certamente enfrenta a questão.

O que há de impressionante em tudo isso é o abismo entre o que os acadêmicos estão aprendendo sobre política e a política em si. Somos capazes de derrubar governos e ocupar o centro das cidades – comportamentos que só podem ocorrer por uma combinação de convicção intensa e emoção igualmente intensa – com uma perspectiva quase nula sobre por que podemos ser tão passionais em uma direção, mesmo quando nossos opositores são tão passionais na outra.

Ver a política do modo que Hibbing, Smith, Alford e Tuschman veem, ao contrário, é inevitavelmente querer parar de brigar tanto e esmerar por alguma forma de aceitação das diferenças políticas. É por isso que, mesmo que nem todas as respostas já estejam no lugar, nós precisamos da linha de pensamento deles para avançar. Diversidade ideológica é sem dúvida real e profundamente enraizada, e provavelmente uma faceta fundamental da natureza humana. Levando isso em conta, nós simplesmente não temos escolha além de descobrir uma maneira bem melhor de viver com isso.