Usuário

|[ A Neurociência da desigualdade ]|

Madeline Ostrander
The New Yorker

Tradução: Eduardo Hegenberg para o PsiBr

As condições que acompanham a pobreza podem ser tão tóxicas ao cérebro em desenvolvimento quanto o uso de drogas ou o consumo abusivo de álcool.

pobreza cerebroPara um bebê em desenvolvimento, privação e ansiedade podem se tornar uma forma de neurotoxina. (Foto: BSIP/UIG Via Getty)A fundação, a estrutura e o cercado do cérebro são forjados no ventre. À medida que um embrião evolui para tornar-se um feto, algumas de suas células em replicação convertem-se em neurônios, arranjam-se em camadas e constituem as primeiras sinapses — a fiação elétrica do órgão. A partir de quatro ou cinco meses de gestação a camada mais externa do cérebro, o córtex, começa a delinear suas características dobras ou circunvoluções, que continuarão a se esculpir após o nascimento. Com um ou dois anos de vida, as estruturas que permitem cognições superiores — autonomia, auto-controle emocional, capacidade de decisão — começam a florescer; algumas delas continuam a se aperfeiçoar através da toda a adolescência até o início da vida adulta.

Pat Levitt, um neurocientista do desenvolvimento do Hospital Infantil de Los Angeles, passou grande parte de sua carreira estudando os acidentes de percurso que podem fazer este processo de formação sair do trilho. Nos anos noventa, durante o alvoroço midiático em torno dos "filhos do crack", ele fez parte do grupo de cientistas questionando se os perigos do uso da droga na gestação não estariam sendo superestimados. (Levitt passou duas décadas examinando o cérebro de mães e filhotes de coelho expostos à substância, e diz que todo o alarme foi "um exagero".) Mais recentemente, como diretor de ciência do Conselho Científico Nacional de Desenvolvimento Infantil, passou a se interessar por outra forma de neurotoxina: a pobreza.

Como se descobriu, as condições que acompanham a pobreza — o que um relatório do Conselho Científico Nacional resumiu como "superpopulação, barulho, habitação precária, negligência paterna, exposição à violência, distúrbios familiares", e outros fatores importantes de estresse — podem ser tão tóxicas ao cérebro em desenvolvimento quanto o uso de drogas ou o consumo abusivo de álcool. Estas condições fazem com que o corpo libere hormônios como o cortisol, produzido no córtex adrenal. Breves irrupções de cortisol podem ser úteis na administração de situações difíceis, mas em níveis elevados e por períodos prolongados seus efeitos são desastrosos. Em uma mulher grávida, o hormônio pode "transpor a placenta e atingir o feto", diz Levitt, e assim potencialmente afetar o cérebro de seu bebê, com interferências em sua circuitaria. Em outro momento, com a criança já em crescimento, cortisol de seu próprio corpo pode continuar a sabotar o seu desenvolvimento.

Em março, na revista científica Nature Neuroscience, um grupo de pesquisadores de nove hospitais e universidades publicou um grande estudo com mais de mil crianças. Foram coletadas amostras de DNA, escaneadas imagens cerebrais e  levantadas informações sobre o histórico financeiro e educacional de suas famílias, e então aplicaram uma série de testes de habilidades como leitura e memória. As amostras de DNA permitiram aos cientistas eliminar a influência da herança genética, e desta forma avaliar com maior precisão como o patamar socioeconômico por si só pode afetar um cérebro em desenvolvimento. As neuroimagens focalizaram a área total da superfície cerebral, determinada em parte pela profundidade das dobras do córtex, e  também o tamanho do hipocampo, uma estrutura encaracolada localizada no centro do cérebro, responsável pelo armazenamento de memórias. Como era de se esperar, famílias de maior nível educacional produziram crianças de área cerebral maior e hipocampo mais volumoso. Mas a renda familiar teve consequências próprias: as crianças menos privilegiadas tinham uma área de superfície cerebral até seis por cento menor que as de crianças de famílias mais abastadas. No espectro mais baixo, mesmo pequenas diferenças na situação econômica podiam significar diferenças importantes no órgão. Nas faixas de renda média e superior, no entanto, a curva dinheiro-cérebro aplainava. Em outras palavras, riqueza não compra necessariamente um cérebro melhor, mas a privação tende a resultar em um mais fragilizado.

Uma pessoa cujo cérebro tenha sido prejudicado na infância pode sofrer dificuldades persistentes de comportamento e cognição. Em março, um estudo no jornal Acta Paediatrica mostrou imagens perturbadoras de fetos que movimentavam a boca e tocavam a face com maior frequência quando suas mães sofriam de altos níveis de ansiedade ou, ainda mais intensamente, quando eram fumantes — provavelmente um sinal de interferência no desenvolvimento do sistema nervoso. Em um estudo de longo prazo publicado dois anos atrás, neurocientistas de quatro universidades analizaram imagens dos cérebros de um grupo de jovens atualmente com vinte e quatro anos e constataram uma diferença entre aqueles que haviam sido pobres à idade de nove anos: seus centros cerebrais responsáveis por emoções negativas ficavam ativos com maior frequência, enquanto as áreas capazes de refrear tais emoções eram mais ociosas. Outra pesquisa demonstrou que o estresse na infância torna as pessoas mais propensas à depressão, doenças cardíacas e dependência química na vida adulta.

Durante a última década, o consenso científico deixou claro: pobreza perpetua pobreza, geração após geração, através de sua ação no cérebro. O Conselho Nacional de Ciência trabalhou diretamente com o setor público para apoiar medidas que quebrem este círculo vicioso, incluindo cuidados prenatais e pediátricos de melhor qualidade e educação pré-escolar mais acessível. Levitt e seus colegas têm defendido também mudanças nas leis que criminalizam o abuso de drogas na gravidez, já que, como apontaram em um artigo, prisão e encarceramento também terminam por ativar o "sistema materno de estresse". A história que a ciência está nos contando rearranja a moralidade da relação entre criação e pobreza, tornando mais difícil colocar a culpa de crianças-problema em pais-problema. A edificação de um cérebro saudável, parece, é obra a se fazer de mutirão.